Os biólogos atuam na linha de frente da COVID-19, sabia?

Você sabia que profissionais de várias áreas atuam na linha de frente de pesquisas de doenças? Entre esses profissionais estão os biólogos que atuam na linha de frente da COVID-19.

Juliana Torini, é egressa em Ciências Biológicas pela UNICEP, Mestre e Doutora em Física aplicada a Biologia Molecular e contou pra gente como é a atuação do Biólogo na pandemia do COVID-19.

“Já é de conhecimento de muitas pessoas que o biólogo pode atuar em diversas áreas, desde a botânica até áreas da medicina, mas talvez o que muita gente nem imagina é que a profissão do biólogo também é considerada da linha de frente do combate a doenças. Isso porque o biólogo pode atuar em diversas áreas do enfrentamento, como por exemplo, no monitoramento da disseminação da doença, no estudo de como acontece a transmissão, no estudo dos mecanismos pelos quais um vírus consegue entrar na célula, na busca por medicamento, por vacina e em tantas outras áreas.”, contou a egressa.

E explicou: “Uma das áreas de atuação dos biólogos que foi muito comentada nas mídias e nos jornais foi no diagnóstico da COVID-19, isso porque a técnica utilizada, a RTPCR, é uma técnica utilizada em muitos laboratórios, principalmente de biologia molecular e celular, e é utilizada de forma rotineira. APCR que é sigla pra Reação em Cadeia da Polimerase é uma técnica que utiliza enzimas para fazer várias cópias de DNA a ponto de conseguirmos detectá-lo. A RTPCL é uma variação dessa técnica, que utiliza a enzima transcriptase reversa, por isso do RT na frente do nome, ela também faz várias cópias de DNA, mas usando como molde o RNA.”

“Como o material genético do vírus é um RNA, através dessa técnica a gente consegue saber se as células do paciente possuem ou não o vírus presente. Essa técnica foi desenvolvida no início dos anos 80, e como eu disse, é uma técnica amplamente dominada e muito conhecida nos laboratórios, mas por que foi e é tão difícil testar os pacientes suspeitos da COVID-19?”, questionou Juliana e continuou: “Um dos motivos é porque os reagentes utilizados são importados e isso torna tudo mais caro, mas o outro motivo é porque faltam pessoas qualificadas, ou seja, faltam biólogos e biomédicos que saibam utilizar essa técnica e interpretar os resultados. Por isso, eu gostaria de convidar você para fazer Ciências Biológicas e fazer parte do time de biólogos brasileiros que estão engajados em estudar, combater e diagnosticar essa e tantas outras doenças que acometem o Brasil e o mundo”.

Quem se interessou pela área pode se inscrever no Vestibular da UNICEP.

O vídeo com as explicações da Dr. Juliana Torini está no Instagram da UNICEP (@unicepsaocarlos).
    
Texto: Ana Lívia Schiavone
 

Cadastre seu e-mail

E receba novidades exclusivas

Compartilhe